SOJA: Preços seguem firmes, mas nominais no Brasil

    Porto Alegre, 15 de outubro de 2020 – Os preços da soja oscilaram entre estáveis e mais altos nesta quinta de escassos negócios no Brasil. As cotações são praticamente nominais em meio a uma comercialização travada, devido à ausência de oferta.

   Com o retorno das chuvas, ainda que em pequenos volumes e de forma esparsa, os produtores voltaram ao plantio, saindo do mercado e contribuindo ainda mais para o ritmo lento.

   Em Passo Fundo (RS), a saca de 60 quilos subiu de R$ 160,00 para R$ 162,00. Na região das Missões, a cotação também avançou de R$ 160,00 para R$ 162,00. No porto de Rio Grande, o preço passou de R$ 158,00 para R$ 160,00.

   Em Cascavel, no Paraná, o preço aumentou de em R$ 161,00 para R$ 165,00 a saca. No porto de Paranaguá (PR), a saca avançou de R$ 152,00 para R$ 153,00.

   Em Rondonópolis (MT), a saca passou de R$ 161,00 para R$ 163,00. Em Dourados (MS), a cotação seguiu em R$ 165,00. Em Rio Verde (GO), a saca permaneceu em R$ 160,00.

     Chicago

    Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a quinta-feira com preços mistos. As primeiras posições subiram, impulsionadas pela demanda firme pela soja americana. As demais foram pressionadas por um movimento de realização de lucros e pelo clima de maior aversão ao risco no cenário financeiro.

   O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) anunciou nova venda do grão para a China. Dessa vez, a operação envolveu 261 mil toneladas vendidas pelos exportadores privados, com entrega na temporada 2020/21.

    A Associação Norte-Americana dos Processadores de Óleos Vegetais (NOPA) informou que o esmagamento de soja atingiu 161,491 milhões de bushels em setembro, ante 165,055 milhões no mês anterior. A expectativa do mercado era de 160,79 milhões.

   O atraso no plantio no Brasil, devido à falta de chuvas completou o cenário positivo para os primeiros contratos.

    As posições com vencimentos mais distantes sucumbiram a um movimento de realização de lucros. Com o aumento dos casos de coronavírus na Europa e a indefinição em torno de um pacote de estímulo nos Estados Unidos, o clima de aversão ao risco no cenário financeiro aumentou, com investidores se desfazendo de posições em commodities e procurando aplicações mais seguras.

    Os contratos da soja em grão com entrega em novembro fecharam com alta de 6,00 centavos de dólar por libra-peso ou 0,56% a US$ 10,62 1/4 por bushel. A posição janeiro teve cotação de US$ 10,62 por bushel, com ganho de 4,75 centavos ou 0,44%.

   Nos subprodutos, a posição dezembro do farelo fechou com alta de US$ 8,50 ou 1,91% a US$ 372,10 por tonelada. No óleo, os contratos com vencimento em dezembro fecharam a 33,17 centavos de dólar, baixa de 0,71 centavo ou 2,09%.

     Câmbio

    O dólar comercial encerrou a sessão em alta de 0,41%, sendo negociado a R$ 5,6260 para venda e a R$ 5,6240 para compra. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 5,5900 e a máxima de R$ 5,6480.

     Dylan Della Pasqua (dylan@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2020 – Grupo CMA