MERCADO SOJA: Terça de poucos negócios e preços regionalizados

   Porto Alegre, 13 de outubro de 2020 – O mercado de soja registrou poucos negócios e preços com variações regionalizadas nas principais praças do Brasil nesta terça. Compradores e vendedores adotaram uma postura retraída. As altas do dólar e de Chicago pouco influenciaram, devido à escassez de soja disponível.

   Em Passo Fundo (RS), a saca de 60 quilos subiu de R$ 158,00 para R$ 159,00. Na região das Missões, a cotação também avançou de R$ 158,00 para R$ 159,00. No porto de Rio Grande, o preço saltou de R$ 153,00 para R$ 156,00.

    Em Cascavel, no Paraná, o preço ficou em R$ 160,00 a saca. No porto de Paranaguá (PR), a saca permaneceu em R$ 151,00.

    Em Rondonópolis (MT), a saca baixou de 163,00 para R$ 161,00. Em Dourados (MS), a cotação estabilizou em R$ 162,00. Em Rio Verde (GO), a saca seguiu em R$ 159,00.

     Chicago

    Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a terça-feira com preços em alta. Após o tombo de 3% de ontem, o mercado se recuperou por compras de barganha e respondendo a sinais de demanda firme pela oleaginosa americana.

   As inspeções de exportação norte-americana de soja chegaram a 2.157.012 toneladas na semana encerrada no dia 8 de outubro, conforme relatório semanal divulgado pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). Analistas esperavam o número em 1,7 milhão de toneladas.

    Na semana anterior, as inspeções haviam atingido 2.004.867 toneladas. No ano passado, em igual período, o total fora de 956.056 toneladas. No acumulado do ano-safra, iniciado em 1o de setembro, as inspeções estão em 9.095.531 toneladas, contra 5.162.862 toneladas no acumulado do ano-safra anterior.

    As importações de soja em grão pela China no mês de setembro somaram 9,79 milhões de toneladas, um avanço de 1,9% frente ao mês anterior, quando atingiram 9,6 milhões de toneladas. Ante agosto de 2019, quando foram importadas 8,2 milhões de toneladas, a elevação é de 19%.

   O avanço é atribuído à chegada consistente de produto norte-americano, que deve se manter nos próximos meses. Além disso, havia cargas atrasadas que ingressaram na China durante o mês de setembro.

    No acumulado do ano, as importações chinesas somam 74,53 milhões de toneladas, uma elevação de 15,5% em relação à igual período de 2019.

    Os contratos da soja em grão com entrega em novembro fecharam com alta de 10,25 centavos de dólar por libra-peso ou 0,99% a US$ 10,44 por bushel. A posição janeiro teve cotação de US$ 10,47 por bushel, com ganho de 10,25 centavos ou 0,98%.

   Nos subprodutos, a posição dezembro do farelo fechou com alta de US$ 1,70 ou 0,47% a US$ 356,00 por tonelada. No óleo, os contratos com vencimento em dezembro fecharam a 33,62 centavos de dólar, alta de 0,46 centavo ou 1,38%.

     Câmbio

    O dólar comercial encerrou a sessão em alta de 0,97%, sendo negociado a R$ 5,5810 para venda e a R$ 5,5790 para compra. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 5,5230 e a máxima de R$ 5,6270.

     Dylan Della Pasqua (dylan@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2020 – Grupo CMA