Milho seguiu com preços pouco alterados nesta quinta

Porto Alegre, 22 de agosto de 2019 – O mercado brasileiro de milho manteve estabilidade nesta quinta-feira. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, a paridade de exportação ainda dita o ritmo das negociações no mercado brasileiro de milho. “É importante ressaltar que os produtores ainda estão recuados neste momento, avaliando as melhores alternativas para o curto prazo. Da mesma maneira que os principais consumidores do país optam por adquirir lotes pontuais, apontando para uma posição confortável em seus estoques”, comenta. Ainda são recorrentes os problemas de armazenamento no Centro-Oeste do país, ênfase para Mato Grosso e Goiás.

   No Porto de Paranaguá, o preço ficou em R$ 36,00/38,00 a saca. Em Santos, o preço girou em torno de R$ 36,50/38,00 a saca.

   No Paraná, a cotação ficou em R$ 30,50/33,00 a saca em Cascavel. Em São Paulo, preço de R$ 33,00/34,00 na Mogiana. Em Campinas CIF, preço de R$ 36,50/37,50 a saca.

    No Rio Grande do Sul, preço ficou em R$ 38,00/39,00 a saca em Erechim. Em Minas Gerais, preço em R$ 33,00/34,00 a saca em Uberlândia. Em Goiás, preço esteve em R$ 27,50/29,50 a saca em Rio Verde, no disponível. Em Mato Grosso, preço ficou a R$ 27,00/29,00 a saca em Rondonópolis, para o disponível.

Chicago

    A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para o milho fechou com preços mais altos. Em sessão volátil, o mercado reverteu as perdas iniciais e fechou em alta sustentado pelos menores rendimentos nos Estados Unidos.

   Segundo avaliação dos participantes da “Crop Tour”, realizada pela Pro Farmer, a produtividade média do milho em Illinois deve ficar em 171,17 bushels por acre em Illinois, ante a média de 188,95 bushels por acre nos últimos três anos. No ano passado, o rendimento havia sido projetado em 192,63 bushels por acre.

   As vendas líquidas norte-americanas de milho para a temporada comercial 2018/19, que tem início no dia 1o de setembro, ficaram em 119.300 toneladas na semana encerrada em 15 de agosto. Representa uma forte elevação frente à semana anterior e avanço de 31% ante à média das últimas quatro semanas. O maior importador foi o México, com 96.900 toneladas. Para a temporada 2019/20, ficaram em 301.600 toneladas. Os analistas esperavam exportações entre 250 mil e 950 mil toneladas. As informações são do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).

    Os contratos de milho com entrega em setembro de 2019 fecharam a US$ 3,63 1/4, alta de 0,75 centavo de dólar, ou 0,2%, em relação ao fechamento anterior. A posição dezembro de 2019 fechou a US$ 3,71 por bushel, ganho de 0,75 centavo de dólar, ou 0,2%, em relação ao fechamento anterior.

Câmbio

   O dólar comercial encerrou a sessão de hoje com alta de 1,19%, sendo negociado a R$ 4,0770 para a compra e a R$ 4,0790 para a venda. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a máxima de R$ 4,0790 e a mínima de R$ 4,0180.

      Lessandro Carvalho (lessandro@safras.com.br) / Agência SAFRAS