MILHO: Chicago acentua alta no meio-pregão com expectativa de menor produção e estoques nos EUA em 2024/25

   Porto Alegre, 10 de maio de 2024 – A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para o milho opera com preços boa alta no meio-pregão. O mercado digere os números de relatório de oferta e demanda de maio do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, indicando uma expectativa de produção e de estoques finais no país menores que os esperados pelo mercado para na safra 2024/25.

   Os Estados Unidos deverão colher 14,860 bilhões de bushels na temporada 2024/25, volume que fica abaixo dos 14,897 bilhões de bushels previstos pelo mercado. A produtividade média em 2024/25 deve atingir 181 bushels por acres. A área a ser plantada deve ficar em 90 milhões de acres. A área a ser colhida foi prevista em 82,1 milhões de acres.

   Os estoques finais de passagem da safra 2024/25 foram estimados em 2,102 bilhões de bushels, contra os 2,256 bilhões de bushels esperados pelo mercado. Os estoques finais de passagem da safra 2023/24 foram estimados em 2,022 bilhões de bushels, contra os 2,122 bilhões apontados no mês passado e abaixo dos 2,098 bilhões de bushels esperados pelo mercado.

   A safra global 2024/25 foi projetada em 1.219,93 milhão de toneladas. O USDA estimou estoques finais da safra mundial 2024/25 em 312,27 milhões de toneladas, abaixo das 317,4 milhões de toneladas previstos pelo mercado.

   A estimativa de safra brasileira é de 127 milhões de toneladas em 2024/25 e a produção da Argentina deve atingir 51 milhões de toneladas. A Ucrânia teve sua projeção de safra apontada em 27 milhões de toneladas na temporada 2024/25 e a África do Sul teve a safra indicada em 17 milhões de toneladas. A China teve a estimativa de produção em 2024/25 projetada em 292 milhões de toneladas.

   O USDA estimou estoques finais da safra mundial 2023/24 em 313,08 milhões de toneladas, abaixo das 318,28 milhões de toneladas indicadas no mês passado e das 315,3 milhões de toneladas previstas pelo mercado. A estimativa de safra brasileira foi reduzida de 124 milhões de toneladas para 122 milhões de toneladas em 2023/24, enquanto o mercado indicava uma produção de 122,5 milhões de toneladas. A produção da Argentina deve atingir 53 milhões de toneladas, contra as 55 milhões de toneladas indicadas em abril. O mercado projetava uma safra de 52 milhões de toneladas.

   Os contratos com entrega em julho de 2024 operam com alta de 9,75 centavos, ou 2,13%, cotados a US$ 4,66 1/4 por bushel. Os contratos com entrega em setembro de 2024 operam com avanço de 9,50 centavos, ou 2,03%, cotados a US$ 4,76 1/2 por bushel.

Arno Baasch (arno@safras.com.br) / Safras News

Copyright 2024 – Grupo CMA