Relatório USDA Dezembro 2018 (Soja)

SOYBEAN (Soja)  2017 / 2018 - Milhões de Tons 							
							
		        E.INICIAL   PRODUÇÃO 	 IMP. 	 CONS. DOM.    EXP.    E. FINAL 
NOVEMBRO	 MUNDO 	 97,39 	     338,57 	153,68 	  336,76      153,19 	 99,69 
DEZEMBRO		 97,53 	     339,47 	153,54 	  336,08      153,16 	101,30 
							
NOVEMBRO	 EUA 	  8,21 	     120,04 	 0,59 	   58,97       57,95 	 11,92 
DEZEMBRO		  8,21 	     120,04 	 0,59 	   58,97       57,95 	 11,92 
							
NOVEMBRO	 BRASIL  26,81 	     119,80 	 0,18 	   47,04       76,19 	 23,55 
DEZEMBRO		 26,81 	     120,30 	 0,18 	   45,94       76,20 	 25,15 
	  						
NOVEMBRO         ARG	 35,46 	      37,80 	 4,77 	   41,68 	2,11 	 34,24 
DEZEMBRO		 35,46 	      37,80 	 5,05 	   41,68 	2,11 	 34,52 
							
NOVEMBRO	 CHINA 	 20,66 	      15,20 	 94,13 	  106,30 	0,15 	 23,54 
DEZEMBRO		 20,66 	      15,20 	 94,13 	  106,30 	0,15 	 23,54 
 

SOYBEAN (Soja)  2018 / 2019 - Milhões de Tons 							
							
		        E.INICIAL   PRODUÇÃO 	 IMP. 	 CONS. DOM.     EXP. 	E. FINAL 
NOVEMBRO	 MUNDO 	 99,69 	     367,50 	152,27 	  351,94       155,44 	 112,08 
DEZEMBRO		101,30 	     369,20 	152,46 	  351,53       156,09 	 115,33 
							
NOVEMBRO	 EUA 	 11,92 	     125,18 	 0,68 	   60,08 	51,71 	  26,00 
DEZEMBRO		 11,92 	     125,18 	 0,68 	   60,08 	51,71 	  26,00 
							
NOVEMBRO	 BRASIL  23,55 	     120,50 	 0,20 	   46,00        77,00 	  21,25 
DEZEMBRO		 25,15 	     122,00 	 0,20 	   45,00 	81,00 	  21,35 
	  						
NOVEMBRO         ARG	 34,24 	      55,50 	 4,20 	   47,92 	 8,00 	  38,02 
DEZEMBRO		 34,52 	      55,50 	 4,20 	   47,92 	 5,00 	  41,30 
							
NOVEMBRO	 CHINA 	 23,54 	      16,00 	90,00 	  109,60 	 0,10 	  19,84 
DEZEMBRO		 23,54 	      16,00 	90,00 	  109,60 	 0,10 	  19,84 

Soja tem dia lento / Preços esboçam alta por dólar

Porto Alegre, 13 de novembro de 2018 – O mercado seguiu com poucos
negócios no Brasil nesta terça, mas os preços reagiram na maioria das
praças, seguindo a elevação do dólar. A recuperação foi limitada pela
queda dos contratos futuros em Chicago e pelo recuo dos prêmios. Os produtores
seguem afastados do mercado, focando no plantio.

Em Passo Fundo (RS), a saca de 60 quilos subiu de R$ 81,50 para R$ 82,00.
Na região das Missões, a cotação avançou de R$ 81,50 para R$ 82,00. No
porto de Rio Grande, os preços aumentaram de R$ 85,00 para R$ 85,50.

Em Cascavel, no Paraná, o preço passou de R$ 78,00 para R$ 78,50 a saca.
No porto de Paranaguá (PR), a saca subiu de R$ 85,00 para R$ 85,50.

Em Rondonópolis (MT), a saca caiu de R$ 73,00 para R$ 72,00. Em Dourados
(MS), a cotação baixou de R$ 75,00 para R$ 74,50. Em Rio Verde (GO), a saca
permaneceu em R$ 78,00.

Chicago

Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago
(CBOT) fecharam a terça-feira com preços mais baixos. O mercado não sustentou
os ganhos iniciais, absorvendo a forte queda do petróleo e a valorização do
dólar frente a outras moedas.

Chicago iniciou o dia absorvendo notícias positivas. O Departamento de
Agricultura dos Estados Unidos (USDA) anunciou a venda de mais de 276 mil
toneladas por parte de exportadores privados para destinos não revelados.

As inspeções de exportação norte-americana de soja chegaram a 1.301.775
toneladas na semana encerrada no dia 8 de novembro, conforme o USDA. O
mercado esperava as inspeções em torno de 1,1 milhão de toneladas.

Além disso, há a expectativa de avanços nas negociações entre Estados
Unidos e China para encontrar uma solução para a guerra comercial entre os
dois países.

O secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, retomou as
conversas com o vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, sobre um acordo para
reduzir as tensões comerciais, antes da reunião dos presidentes de China e
Estados Unidos no final do mês.

Os contratos da soja em grão com entrega em novembro fecharam com baixa de
4,50 centavos de dólar a US$ 8,67 1/4 por bushel ou 0,51%. A posição janeiro
teve cotação de US$ 8,78 1/4 por bushel, perda de 5,00 centavos de dólar em
relação ao fechamento anterior ou 0,56%.

Nos subprodutos, a posição dezembro do farelo fechou com baixa de US$
1,70, sendo negociada a US$ 303,90 por tonelada, com desvalorização de 0,55%.
No óleo, os contratos com vencimento em dezembro fecharam a 27,55 centavos
de dólar, com baixa de 0,16 centavo ou 0,57%.

Câmbio

O dólar comercial fechou a negociação em alta de 1,99%, cotado a R$
3,8300 para a compra e a R$ 3,8320 para a venda. Durante o dia, a moeda
norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 3,7550 e a máxima de R$ 3,8320.

Agenda de quarta

– Japão: a leitura preliminar do Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro
trimestre será publicada durante a noite pelo gabinete do governo do país.

– China: A produção industrial de outubro será publicada à meia-noite pelo
departamento de estatísticas.

– Japão: A leitura revisada da produção industrial de setembro será
publicada às 2h30 pelo Ministério da Economia, Comércio e Indústria.

– Alemanha: A leitura preliminar do Produto Interno Bruto (PIB) de terceiro
trimestre de 2018 será publicada às 5h pelo Destatis.

– Reino Unido: O índice de preços ao consumidor de outubro será publicado
às 7h30 pelo departamento de estatísticas.

– Reino Unido: O índice de preços ao produtor de outubro será publicado às
7h30 pelo departamento de estatísticas.

– Eurozona: A segunda leitura do Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro
trimestre de 2018 será publicada às 8h pela Eurostat.

– Eurozona: A produção industrial de setembro será publicada às 8h pela
Eurostat.

– A FGV divulga às 8h os dados do Indice Geral de Preços – 10 (IGP-10)
referentes a novembro.

– EUA: O índice de preços ao consumidor de outubro será publicado às 11h30
pelo Departamento do Trabalho.

– EUA: a posição dos estoques de petróleo até sexta-feira da semana passada
será publicada às 13h30 pelo Departamento de Energia (DoE).

Dylan Della Pasqua (dylan@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Compras chinesas no Brasil sobem 20% no ano e ficam em 60,104 mi de t

Porto Alegre, 13 de novembro de 2018 – A China comprou 60,104 milhões de
toneladas de soja em grão do Brasil de janeiro a outubro. Os dados são
Secretaria de Comércio Exterior (Secex). Na comparação com o mesmo período
do ano passado, as aquisições chinesas tiveram uma alta de 20%.

A Espanha é o segundo maior comprador de soja em grão do Brasil, com
1,885 milhão toneladas, baixa de 3% ante o ano anterior. Na terceira
colocação está a Holanda com 1,34 milhão de toneladas, queda de 2%.

Veja o quadro completo com as vendas brasileiras de grão, farelo e óleo
por destinos abaixo:

=================================================
COMPLEXO SOJA - EXPORTAÇÕES BRASIL
POR PAISES DESTINO
- em mil toneladas - Janeiro/Outubro - (*)
-------------------------------------------------

     SOJA
                       2018        2017     %
  China            60.104,0    49.913,2    20
  Espanha           1.885,3     1.951,6    -3
  Tailândia         1.194,5     1.652,8   -28
  Holanda           1.340,1     1.368,9    -2
  Irã               1.296,9     1.247,1     4
  Rússia              944,6       869,8     9
  Taiwan              326,7     1.029,2   -68
  Alemanha            237,6        57,2   315
  Coreia do Sul       482,6       475,6     1
  Itália              229,8       322,3   -29
  Paquistão           644,1       955,6   -33
  Japão               549,3       467,4    18
  Reino Unido         398,3       535,0   -26
  Arábia Saud         298,7       275,3     9
  Vietnã              325,4       614,8   -47
  Outros            4.301,7     1.920,3   124
     Total         74.559,6    63.656,2  17,1

     FARELO
                       2018        2017     %
  Holanda           2.331,0     2.346,3    -1
  França            1.321,3     1.306,7     1
  Tailândia         1.948,0     1.818,1     7
  Coreia do Sul     1.561,9     1.463,5     7
  Indonésia         1.319,2     1.247,5     6
  Alemanha            858,6     1.080,0   -20
  Eslovênia           858,6       798,0     8
  Irã                 515,9       399,2    29
  Espanha             568,1       314,8    80
  Japão               245,4       149,2    64
  Vietnã              872,5       267,1   227
  Bangladesh           38,5        55,7   -31
  Bélgica              57,9       106,6   -46
  Itália              189,2       133,2    42
  Reino Unido           2,8        26,6   -89
  Outros            1.494,7       919,3    63
     Total         14.183,6    12.431,7  14,1

      ÓLEO
                       2018        2017     %
  India               726,9       438,1    66
  China               211,6       335,2   -37
  Argélia              66,5        94,5   -30
  Bangladesh          166,7       111,9    49
  Irã                  35,5        32,0    11
  Moçambique            0,0         0,0     -
  Paquistão            44,0        56,3   -22
  Cuba                  0,0         4,3     -
  Tunísia               0,0        22,5     -
  Malásia              11,0         0,0     -
  Egito                 0,0         0,0     -
  Austrália             3,2         6,4   -50
  África do Sul         0,0         0,0     -
  Hong Kong             2,0         0,0     -
  Quênia                0,0         0,2     -
  Outros               13,0         2,4     -
     Total          1.280,4     1.103,8   16,0

 
  FONTE: SECEX
  obs: (*) Números oficiais.

SOJA: Embarques de MT somam 19,059 mi de t no acumulado do ano – Secex

Porto Alegre, 13 de outubro de 2018 – O Mato Grosso liderou o ranking de
estados exportadores de soja em grão do Brasil nos primeiros dez meses do ano,
com o embarque de 19,059 milhões de toneladas. O volume é 8% superior ao
exportado em igual período do ano passado. Os dados foram divulgados pela
Secretaria de Comércio Exterior (Secex), do Ministério do Desenvolvimento,
Indústria e Comércio (MDIC).

Os embarques brasileiros no acumulado do ano totalizaram 74,56 milhões de
toneladas, contra 63,656 milhões no ano anterior. Veja abaixo o quadro completo
dos estados exportadores de soja:

===============================================================
EXPORTAÇÃO BRASIL - POR ESTADOS
- em mil toneladas -
---------------------------------------------------------------

                         %      Jan/Out     Jan/Out        2017
                        a/b     2018 (a)    2017 (b)
SOJA                    17      74559,6     63656,2     68154,6
Mato Grosso              8      19059,4     17605,2     18017,5
Rio Grande do Sul       -1      10542,8     10689,8     12349,6
Paraná                  10      10924,4     9913,6      10927,9
Goiás                   26      5845,2      4631,6       4805,4
Mato Grosso do Sul      29      4506,4      3484,6       3642,2
São Paulo               23      4054,9      3306,3       3409,6
Bahia                    5      2912,5      2783,3       3096,8
Santa Catarina          20      2059,4      1712,8       1845,7
Maranhão                28      2359,2      1847,1       1888,1
Minas Gerais            60      3994,3      2502,8       2626,6
Outros (*)              60      8301,1      5178,9       5545,1

FARELO                  14      14183,6     12431,7     14177,1
Mato Grosso              7      4830,9       4515,3      5220,4
Paraná                   0      2741,1       2753,9      3211,2
Rio Grande do Sul       19      2190,2       1835,2      2048,5
Goiás                    6      1935,6       1819,5      2054,3
São Paulo               35       175,0       129,2        136,2
Bahia                    7       928,1       869,3        945,6
Mato Grosso do Sul      41       410,0       291,2        327,2
Minas Gerais            34       226,3       168,4        183,8
Santa Catarina         2900      285,8        9,5           9,5
Outros (*)             1040      460,6       40,4          40,2

ÓLEO                    16      1280,4      1103,8       1223,8
Paraná                   8       523,3       485,4        523,8
Mato Grosso             26       265,6       210,9        221,2
Rio Grande do Sul        2       232,9       228,2        280,9
Santa Catarina          250      48,4        13,8          14,4
Minas Gerais            123      16,7         7,5           7,5
São Paulo               -13      13,1        15,0          15,0
Outros (*)              26       180,4       143,0        161,1

Fonte: SECEX

obs: (*) Outros estados ou sem confirmação de origem
-------------------------------------------------------------------

Porto de Paranaguá lidera embarques brasileiros em outubro – Secex

Porto Alegre, 13 de outubro de 2018 – Os embarques brasileiros de soja em
grão pelo porto de Paranaguá totalizaram 1,277 milhão de toneladas em
outubro, representando a liderança nas exportações nacionais no período. Em
igual período de 2017, os embarques pelo porto haviam sido de 609,2 mil
toneladas. As informações são da Secretaria de Comércio Exterior (Secex). As
exportações por Rio Grande ficaram em 1,231 milhão de toneladas.

Veja no quadro abaixo, as vendas por portos de embarques de todo o complexo
soja:

========================================================================
EXPORTAÇÃO BRASIL - POR PORTOS DE EMBARQUE
- em mil toneladas -
------------------------------------------------------------------------

                        %    Outubro  Outubro    Fev/Out     Fev/Out
                       a/b    2018     2017      2018 (a)   2017 (b)
SOJA                   16    5353,4    2486,9    72996,0     62744,4
Santos                 21     465,0     28,1     19765,0     16310,8
Rio Grande             3     1230,6    843,2     10872,4     10547,9
Paranaguá              25    1277,2    609,2     12291,7     9827,2
São Francisco          -1     538,7    130,4      4376,1     4416,9
Vitória                -1     278,5    287,9      3449,6     3481,4
São Luis               26     804,9    134,7      7450,9     5891,4
Salvador               0      382,3    345,6      2850,1     2842,4
Manaus                 19     26,6      0,0       2407,9     2015,7
Barcarena             -85      0,0      13,5      653,9      4306,9
Santarem               37      0,0      1,5       2486,0     1814,7
Outros                 0      349,6     92,9      6392,4     6392,4

FARELO                 18    1141,8    1275,8    13055,8     11040,1
Paranaguá              20     303,3    305,0      4523,1     3777,1
Santos                 20     571,2    401,8      4884,5     4085,5
Rio Grande             26     182,6    255,9      1909,2     1511,3
Salvador               17      5,4     188,4      898,1       770,5
Vitória               -46      0,0      78,8      269,1       494,9
Manaus                -17      0,0      45,9      224,2       269,5
São Francisco do Sul    -      0,5      0,0        0,0         0,0
Outros                165     78,7      0,0       347,5       131,3

ÓLEO                   19     79,2     115,6      1229,8     1032,5
Paranaguá              24     66,9      84,8      955,9       768,6
Rio Grande             19     12,0      15,0      205,6       173,4
Manaus                -25      0,0      15,6       66,5       88,5
Santos                -12      0,2      0,2        1,5         1,7
Chuí                    -      0,0      0,0        0,0         0,0
Outros                 -6      0,0      0,0        0,2         0,2

T.GERAL              16,66   6574,4    3878,4    87281,5     74817,0

Fonte: SECEX

obs: (*) Porto de Tubarão

SOJA: Line-up aponta embarques de 5,227 mi de toneladas em novembro

Porto Alegre, 13 de novembro de 2018 – O line-up, a programação de
embarques nos portos brasileiros, indica volume de 5,227 milhões de toneladas
de soja em grão para novembro, conforme levantamento realizado por SAFRAS &
Mercado. Do total, 1,965 milhão de toneladas já estão embarcadas.

Em outubro, o line-up mostrou exportações de 4,495 milhões de toneladas.
Para dezembro, a programação indica embarque de 587,226 mil toneladas.

Entre fevereiro e novembro, período do atual ano comercial, o line-up
indica embarques de 79 milhões de toneladas. Em igual período do ano passado,
os registros estavam em 66,249 milhões de toneladas.

SOJA: Brasil negocia com China permissões para exportação de farelo

Porto Alegre, 12 de novembro de 2018 – Uma missão do governo do Brasil e
de integrantes do setor privado esteve na China na última semana para negociar
a habilitação de unidades brasileiras produtoras de farelo de soja, visando a
exportação do derivado da oleaginosa ao gigante asiático, disse o presidente
da associação Abiove nesta segunda-feira.

O processo de habilitação é um primeiro passo para o Brasil poder
exportar, no futuro, farelo de soja para a China, que atualmente concentra suas
importações no grão brasileiro.

Para os chineses, argumenta a Abiove, que representa as principais empresas
do setor, seria importante contar com uma oferta adicional do país
sul-americano, especialmente neste momento em que Pequim está em guerra
comercial com os Estados Unidos.

Atualmente, cerca de 80 por cento da soja exportada pelo Brasil vai para a
China, que por questões de políticas internas e de segurança alimentar quer
processar o grão internamente.

Com eventuais embarques de farelo de soja, o Brasil conseguiria
diversificar suas exportações à China, ao mesmo tempo em que garantiria bom
mercado para o derivado, cuja oferta tende a crescer com o aumento do
esmagamento da oleaginosa para a produção de biodiesel, cuja mistura no diesel
vai aumentar no próximo ano.

“Querer exportar farelo para a China é uma coisa totalmente nova… É
um processo de ir acostumando o governo chinês com a ideia de que nós temos
interesse em vender farelo para eles. A China não compra farelo, ela esmaga
toda a soja e produz o farelo localmente”, disse à Reuters André Nassar,
presidente da Abiove, que integrou a missão à China na última semana.

Segundo ele, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, voltou a tocar no
assunto com representantes do governo da China.

“O nosso processo é devagar, tem que dizer para os chineses que temos
interesse… O Blairo falou isso novamente… o Brasil vender farelo é
importante neste momento em que a China está em contencioso com os EUA,
tem todo um racional que tem que ser construído”, acrescentou Nassar.

Ele disse ainda que o Brasil está tentando aprofundar as relações
comerciais com a China, mostrando que a compra de farelo do Brasil seria uma
contrapartida importante para uma indústria que abastece o mercado chinês com
grão.

Nassar não quis estipular um prazo para o Brasil eventualmente conseguir
exportar farelo aos chineses.

“Não teve grandes conclusões do meu assunto.”

Segundo ele, a habilitação das unidades produtoras pela China teria que
ser obtida antes de o Brasil começar a negociar uma cota para exportar farelo
em melhores condições tarifárias.

“Não adianta muito discutir cota enquanto não tiver sinalização
positiva do governo chinês sobre a autorização das plantas.”

Contudo, mesmo uma tarifa de 5 por cento para a importação de farelo de
soja imposta pela China não seria impeditivo para o Brasil exportar aos
chineses, segundo Nassar, até porque a taxa sobre importação de óleo de soja
é de 9 por cento e ainda assim as empresas brasileiras conseguem vender o
produto.

No ano passado, a China importou 335 mil toneladas de óleo de soja do
Brasil, segundo dados do governo.

“Não é uma questão de potencial, é mais diversificar, adicionaria
valor nas exportações, isso geraria mais investimento em esmagamento, e temos
o biodiesel que está crescendo a demanda, falta a ponta do farelo para
estimular mais”, completou Nassar.

Ele disse que o Brasil não quer inundar o mercado chinês de farelo, mas
complementar a demanda chinesa em momentos como o atual, no qual a China
está em disputa comercial com os Estados Unidos e reduziu compras do grão
norte-americano.

A compra de mais farelo poderia eventualmente reduzir a pressão de preços
sobre a soja em grão no Brasil, uma vez que os chineses poderiam fazer uma
parte dos negócios em farelo.

As informações partem da Reuters Brasil.

Revisão: Fábio Rübenich (fabio@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Soja segue sem liquidez e sob pressão no Brasil

Porto Alegre, 12 de novembro de 2018 – O mercado brasileiro de soja abriu
a semana com poucos negócios e preços entre estáveis e mais baixos. A queda
de Chicago serviu ainda para afastar os negociadores. O mercado segue sem
liquidez.

Em Passo Fundo (RS), a saca de 60 quilos caiu de R$ 82,50 para R$ 81,50. Na
região das Missões, a cotação recuou de em R$ 82,00 para R$ 81,50. No porto
de Rio Grande, os preços caíram de R$ 85,50 para R$ 85,00.

Em Cascavel, no Paraná, o preço baixou de R$ 79,00 para R$ 78,00 a saca.
No porto de Paranaguá (PR), a saca seguiu em R$ 85,00.

Em Rondonópolis (MT), a saca caiu de R$ 74,00 para R$ 73,00. Em Dourados
(MS), a cotação baixou de R$ 75,50 para R$ 75,00. Em Rio Verde (GO), a saca
permaneceu em R$ 78,00.

Chicago

Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago
(CBOT) fecharam a segunda-feira com preços mais baixos. Sem novidades e com
feriado parcial nos Estados Unidos, o mercado sucumbiu ao cenário fundamental
de ampla oferta mundial.

A colheita avança sem maiores problemas nos Estados Unidos e a expectativa
é de que os americanos produzam a maior safra da história. Além disso, o
mercado se ressente de avanços nas negociações entre americanos e chineses
na busca de uma solução para a guerra comercial travada entre as duas
principais economias do mundo.

Os contratos da soja em grão com entrega em novembro fecharam com baixa de
3,50 centavos de dólar a US$ 8,71 3/4 por bushel ou 0,39%. A posição janeiro
teve cotação de US$ 8,83 1/4 por bushel, perda de 3,50 centavos de dólar em
relação ao fechamento anterior ou 0,39%.

Nos subprodutos, a posição dezembro do farelo fechou inalterada, sendo
negociada a US$ 305,60 por tonelada. No óleo, os contratos com vencimento em
dezembro fecharam a 27,71 centavos de dólar, com alta de 0,09 centavo ou 0,32%.

Câmbio

O dólar comercial fechou a negociação em alta de 0,53%, cotado a R$
3,7550 para a compra e a R$ 3,7570 para a venda. Durante o dia, a moeda
norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 3,7380 e a máxima de R$ 3,7630.

Agenda de terça

– Alemanha: A versão revisada do índice de preços ao consumidor de outubro
será publicada às 5h pelo Destatis.

– Reino Unido: A taxa de desemprego do trimestre até setembro será publicada
às 7h30 pelo departamento de estatísticas.

– Condições das lavouras dos Paraná – Deral, início do dia.

– Inspeções semanais de grãos dos EUA – USDA, 14hs.

– Condições das lavouras dos Estados Unidos – USDA, 19hs.

Dylan Della Pasqua (dylan@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Paranaguá já supera exportação anual de soja, farelo e trigo

Porto Alegre, 12 de novembro de 2018 – Dois meses antes do fim do ano, o
Porto de Paranaguá já bateu o recorde histórico anual de exportação de
soja, farelo, trigo e óleo vegetal. Desde janeiro até outubro, o porto
exportou 19,2 milhões de toneladas destes produtos. A quantidade é 13% maior
que o alcançado em todo o ano passado, quando foram 17 milhões de toneladas.

O destaque foi a exportação de soja: 13.177.790 toneladas movimentadas em
apenas 10 meses. O número é 15% maior que o acumulado de 2017 (11.409.189
toneladas).

O diretor-presidente da Administração dos Portos de Paranaguá e
Antonina, Lourenço Fregonese, atribui os resultados ao aumento da capacidade
de escoamento pelo porto paranaense, aliado a produtividade do campo.

“Nos últimos anos investimos mais de R$ 940 milhões no repotenciamento
e na modernização da estrutura física do Porto de Paranaguá. As ações
incluíram a troca dos carregadores de navios por equipamentos maiores e com
maior capacidade de escoamento de grãos, a construção de novos portões de
acesso, instalação de novas balanças e correias transportadoras, além de
mudanças no cais, que foi remodelado e dragado”, conta.

Outra preocupação foi desafogar as estradas e vias de acesso ao porto,
acabando com as filas de caminhões e aumentando a segurança da comunidade.
“Além do sistema Carga Online, que organizou a descarga no Pátio de Triagem,
estamos investindo em obras importantes para os moradores, como a
Recuperação da avenida Bento Rocha e o novo viaduto na entrada da cidade”,
completa ele.

Farelo, trigo e óleos vegetais: A movimentação de farelo já é 7% maior
que o registrado no ano anterior. Foram 4,8 milhões de toneladas exportadas em
2018, contra 4,5 milhões em 2017. A exportação de trigo supera em 28% o
acumulado do ano passado, com 216.787 toneladas entre janeiro e outubro de 2018.
Na movimentação de óleos vegetais o aumento foi de 9%, passando de 935.611
toneladas para pouco mais de 1 milhão de toneladas.

Outros produtos

Considerando todos os produtos, o Porto de Paranaguá já alcançou 86% da
movimentação de 2017, que foi a maior da história do terminal paranaense. O
acumulado em 2018 soma 44,4 milhões de toneladas, enquanto o ano passado
registrou 51,5 milhões.

Para o diretor de operações da Appa, Luiz Teixeira, dois fatores devem
ter impacto nos números deste ano: a greve dos caminhoneiros, em maio, e o
grande volume de chuvas, principalmente em outubro.

“No período de greve deixaram de ser movimentadas 648 mil toneladas de
produtos, incluindo líquidos, cargas gerais, grãos, fertilizantes e outros”,
revela.

Em outubro, 16 dias de chuva paralisaram principalmente o carregamento de
grãos e a descarga de fertilizantes. “O porto não carrega grãos e farelo
com chuvas e nem descarrega fertilizantes. Não podemos ter risco do grão ficar
úmido, pois fermenta e estraga. Acontece no mundo todo, é uma questão que
foge do nosso controle”, explica.

As informações são da APPA.

Revisão: Gabriel Nascimento (gabriel.antunes@safras.com.br) / Agência
SAFRAS

SOJA: Plantio chega a 68,8% no Brasil e segue acima da média – SAFRAS

Porto Alegre, 9 de novembro de 2018 – O plantio da soja da safra 2018/19
segue bem adiantado no Brasil. Segundo levantamento de SAFRAS & Mercado, o
plantio atinge 68,8% até 9 de novembro. Na semana anterior, encerrada em 1 de
novembro, o plantio estava em 55,2%.

Os trabalhos estão adiantados em relação ao ano passado, quando nessa
época estavam em 56,2%. E também contra a média dos últimos cinco anos, que
é de 56,5% para o período.

Veja o quadro completo abaixo:

==================================================================
EVOLUÇÃO DO PLANTIO DE SOJA - BRASIL
- em % da área esperada -
---------------------------------------------------------------
 
Estados        2018        2018        2017        Média
               09/nov      01/nov      09/nov    Normal (x)
RS               20          10          28          22
PR               79          67          87          80
MT               96          90          79          81
MS               97          78          94          82
GO               90          70          40          61
SP               67          50          65          55
MG               88          60          30          37
BA               39          22          17          15
SC               60          24          47          45
OUT              27          9           10          8
BRASIL (*)      68,8        55,2        56,2        56,5
obs: (x) Média histórica de 5 anos. (*) Média ponderada
Fonte: SAFRAS & Mercado
Copyright 2018 - Grupo CMA
 

SEMANA: USDA eleva estoques e adiciona pressão à soja em Chicago

Porto Alegre, 9 de novembro de 2018 – O relatório de novembro do
Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) reduziu a estimativa de
produção de soja norte-americana. O número também ficou abaixo do esperado
pelo mercado. Os estoques foram elevados para patamares acima do aguardado
pelo mercado.

A produção 2018/19 foi reduzida de 4,690 bilhões de bushels, o
equivalente a 127,6 milhões de toneladas, para 4,600 bilhões ou 125,2 milhões
de toneladas. O mercado apostava em 4,676 bilhões de bushels, ou 127,26
milhões de toneladas.

Os estoques finais em 2018/19 estão projetados em 955 milhões de bushels,
ou 25,99 milhões de toneladas. O mercado trabalhava com um número de 900
milhões de bushels, ou 24,5 milhões de toneladas. Em outubro, a estimativa era
de 885 milhões de bushels ou 24,08 milhões de toneladas.

O USDA indica estimativa de exportação para 2017/18 de 1,9 bilhão de
bushels, contra 2,06 bilhões estimados em outubro. O esmagamento está
estimado em 2,08 bilhões de bushels, contra 2,07 bilhões do mês anterior.

O relatório projetou safra mundial de soja em 2018/19 de 367,5 milhões de
toneladas. No relatório anterior, o número era de 369,48 milhões. Os
estoques finais foram elevados de 110,04 milhões de toneladas para 112,08
milhões. O mercado esperava por estoques finais de 110,8 milhões de toneladas.

A projeção do USDA aposta em safra americana de 125,2 milhões de
toneladas, contra 127,63 milhões de outubro. Para o Brasil, a previsão é de
uma produção de 120,5 milhões de toneladas, mesmo número do ano anterior.

A previsão para a Argentina recuou de 57 milhões para 55,5 milhões de
toneladas. Pelo lado da demanda, destaque para a redução da previsão das
importações chinesas, passando de 94 milhões para 90 milhões de toneladas.

Para a temporada 2017/18, o USDA estima safra mundial de 338,57 milhões.
Os estoques finais foram indicados em 99,69 milhões de toneladas. O mercado
apostava em número de 96,9 milhões de toneladas.

A safra americana foi indicada em 120,04 milhões. Para o Brasil, a
previsão de produção ficou em 119,8 milhões de toneladas. A projeção para
a Argentina é de 37,8 milhões de toneladas.

Conab

A produção brasileira de soja em 2018/19 deverá ficar entre 116,77
milhões e 119,27 milhões de toneladas, conforme o segundo levantamento para a
safra brasileira de grãos da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). O
intervalo representa um decréscimo de 2,1% a estabilidade na comparação com o
ano anterior, quando foram colhidas 119,28 milhões de toneladas.

No relatório de outubro, a produção estava estimada entre 117,05
milhões e 119,43 milhões de toneladas.

A Conab indica uma área plantada entre 35,36 milhões e 36,125 milhões de
hectares, com um aumento que seria de 0,6% a 2,8% sobre o ano anterior,
quando foram semeados 35,149 milhões de hectares. A Conab trabalha com uma
produtividade média nacional de 3.302 quilos por hectare, com recuo de 2,7%
sobre o ano anterior.

O principal estado produtor do país, o Mato Grosso, deve colher entre
31,702 milhões 32,333 milhões de toneladas, oscilando entre queda de 1,9% e
aumento de 0,1% sobre o ano anterior. O Paraná tem safra estimada entre 18,777
milhões e 18,909 milhões de toneladas, com queda que pode ir de 2% e 1,4%.
Os gaúchos deverão produzir entre 17,767 milhões e 18,485 milhões de
toneladas, com intervalo de alta de 3,6% a 7,8%.

Dylan Della Pasqua (dylan@safras.com.br) / Agência SAFRAS

SOJA: Venda antecipada 2018/19 do Brasil chega a 31,3% – SAFRAS

Porto Alegre, 9 de novembro de 2018 – A comercialização antecipada da
safra 2018/19 de soja do Brasil envolve 31,3% da produção projetada, conforme
relatório de SAFRAS & Mercado, com dados recolhidos até 9 de novembro. Em
igual período do ano passado, o número era de 26,7% e a média histórica é
de 33,1%. No relatório anterior, divulgado em 8 de outubro, o percentual era de
27,3 pontos.

Levando-se em conta uma produção estimada em 121,056 milhões de
toneladas, o total já comprometido pelos produtores totaliza 37,939 milhões de
toneladas.

============================================================================
SOJA - BRASIL - COMERCIALIZAÇÃO ANTECIPADA - SAFRA 2018/19
- em % da produção esperada (*) -
------------------------------------------------------------------------
 
Estados     18/19       Volume      Safra      17/18    16/17      Média
            09/Nov   Comprometido  Esperada   09/Nov    09/Nov   Normal (1)
RS           14         2532        18083       15        18         20
PR           24         4707        19613       20        19         24
MT           47         15085       32095       32        36         42
MS           30         2848        9495        24        27         32
GO           30         3655        12182       28        34         39
SP           24          800        3335        25        20         25
MG           26         1512        5817        28        25         34
BA           28         1517        5418        28        35         38
SC           20          473        2364        18        10         19
MA           37         1154        3119         -
PI           35          862        2463         -
TO           40         1445        3612         -
OUT          39         1349        3460        45        35         47
BRASIL (x   31,3        37939      121056      26,7      27,9       33,1
 
Obs: (x) Média Ponderada.  (1) Média de 5 anos normais.
(*) Percentuais considerando comprometimento dos produtores (envolvendo todas as
 formas de negociação).
Fonte: SAFRAS & Mercado
Copyright 2018 - Grupo CMA

SOJA: Comercialização da safra 2017/18 do Brasil atinge 96% – SAFRAS

Porto Alegre, 9 de novembro de 2018 – A comercialização da safra 2017/18
de soja do Brasil envolve 96% da produção projetada, conforme relatório de
SAFRAS & Mercado, com dados recolhidos até 9 de novembro. No relatório
anterior, com dados de 8 de outubro, o número era de 92,9%.

Em igual período do ano passado, a negociação envolvia 93% e a média
para o período é de 93%. Levando-se em conta uma safra estimada em 119,419
milhões de toneladas, o total de soja já negociado é de 114,686 milhões de
toneladas.

============================================================================
SOJA - BRASIL - COMERCIALIZAÇÃO - SAFRA 2017/18
- em % da produção esperada (*) - volumes em mil t. -
------------------------------------------------------------------------
 
Estados    17/18     Volume      Safra      16/17      15/16       Média
          09/Nov  Comprometido  Esperada    09/Nov     09/Nov    Normal (1)
RS          92       15722       17089        81         90          84
PR          95       18200       19158        92         97          90
MT          99       31903       32225        96         99          97
MS          93       8599        9246         95         97          93
GO          96       12036       12537        98         99          97
SP          99       3333        3367         95         93          92
MG          98       5971        6093         95         96          95
BA          97       5673        5848         98         99          98
SC          87       2031        2335         76         85          85
MA          97       2803        2889
PI          95       2328        2450
TO          98       3033        3095
OUT         99       3055        3086         98         99          98
BRASIL (x  96,0     114686      119419       93,0       96,4        93,0
 
Obs: (x) Média Ponderada.  (1) Média de 5 anos normais.
(*) Percentuais considerando comprometimento dos produtores (envolvendo todas as
 formas de negociação).
Fonte: SAFRAS & Mercado
Copyright 2018 - Grupo CMA

Relatório USDA Novembro 2018 (Soja)

 SOYBEAN (Soja)  2017 / 2018 - Milhões de Tons 							
							
		 E.INICIAL   PRODUÇÃO 	 IMP. 	 CONS. DOM.   EXP. 	 E. FINAL 
OUTUBRO	 MUNDO 	  96,68       337,45 	152,45 	  336,80     153,12 	 96,65 
NOVEMBRO          97,39       338,57 	153,68 	  336,76     153,19 	 99,69 
							
OUTUBRO	 EUA 	   8,21       120,04 	 0,59 	  58,97       57,95 	 11,92 
NOVEMBRO	   8,21       120,04 	 0,59 	  58,97       57,95 	 11,92 
							
OUTUBRO	 BRASIL   26,46       119,80 	 0,19 	  47,05       76,19 	 23,20 
NOVEMBRO	  26,81       119,80 	 0,18 	  47,04       76,19 	 23,55 
	 						
OUTUBRO	 ARG	  35,46        37,80 	 4,00 	  42,19        2,10 	 32,97 
NOVEMBRO	  35,46        37,80 	 4,77 	  41,68        2,11 	 34,24 
							
OUTUBRO	 CHINA 	  20,39        14,20 	 94,00 	 106,00        0,14 	 22,46 
NOVEMBRO	  20,66        15,20 	 94,13 	 106,30        0,15 	 23,54 


 SOYBEAN (Soja)  2018 / 2019 - Milhões de Tons 							
							
		 E.INICIAL   PRODUÇÃO 	 IMP. 	 CONS. DOM.   EXP. 	 E. FINAL 
OUTUBRO	 MUNDO 	  96,65       369,48 	154,32 	  353,01     157,40 	 110,04 
NOVEMBRO	  99,69       367,50 	152,27 	  351,94     155,44 	 112,08 
							
OUTUBRO	 EUA 	  11,92       127,63 	 0,68 	   60,08      56,06 	 24,09 
NOVEMBRO	  11,92       125,18 	 0,68 	   60,08      51,71 	 26,00 
							
OUTUBRO	 BRASIL   23,20       120,50 	 0,35 	   46,20      75,00 	 22,85 
NOVEMBRO	  23,55       120,50 	 0,20 	   46,00      77,00 	 21,25 
	 						
OUTUBRO	 ARG	  32,97        57,00 	 2,22 	   47,92       8,00 	 36,27 
NOVEMBRO	  34,24        55,50 	 4,20 	   47,92       8,00 	 38,02 
							
OUTUBRO	 CHINA 	  22,46        15,00 	94,00 	  110,60       0,10 	 20,76 
NOVEMBRO	  23,54        16,00 	90,00 	  109,60       0,10 	 19,84 

Relatório USDA Novembro 2018 (Milho)

CORN (milho) 2017/2018 - Milhões de Tons							
							
		  E.INICIAL   PRODUÇÃO 	 IMP. 	   CONS. DOM. 	 EXP. 	    E. FINAL 
OUTUBRO	  MUNDO    227,79     1.034,23 	 148,64    1.063,81 	 147,13      198,21 
NOVEMBRO	   350,27     1.076,23 	 149,25    1.085,58 	 146,80      340,92 
							
OUTUBRO	  EUA       58,25 	370,96 	 0,92 	    313,83 	 61,94 	      54,37 
NOVEMBRO            58,25 	370,96 	 0,92 	    313,83 	 61,94 	      54,37 
							
OUTUBRO	  BRASIL    14,02 	 82,00 	 1,00 	     64,50 	 22,00 	      10,52 
NOVEMBRO	    14,02 	 82,00 	 1,00 	     64,50 	 22,00 	      10,52 
							
OUTUBRO	  ARG 	    5,27 	 32,00 	 0,01 	     11,90 	 23,00 	       2,38 
NOVEMBRO	    5,27 	 32,00 	 0,01 	     11,90 	 23,00 	       2,38 
							
OUTUBRO	  CHINA     100,71 	215,89 	 4,00 	    241,00 	 0,05 	      79,55 
NOVEMBRO	    223,02 	259,07 	 3,47 	    263,00 	 0,02 	     222,54 


CORN (milho) 2018/2019  - Milhões de Tons							
							
		 E.INICIAL   PRODUÇÃO 	 IMP. 	  CONS. DOM. 	 EXP. 	   E. FINAL 
OUTUBRO	 MUNDO	  198,21     1.068,31 	 154,83    1.107,17 	 162,97    159,35 
NOVEMBRO	  340,92     1.098,95 	 157,16    1.132,36 	 165,64    307,51 
							
OUTUBRO	 EUA	  54,37       375,37 	 1,27 	    322,09 	 62,87 	   46,06 
NOVEMBRO	  54,37       371,52 	 1,27 	    320,82 	 62,23 	   44,10 
							
OUTUBRO	 BRASIL	  10,52       94,50 	 1,00 	    66,50 	 29,00 	   10,52 
NOVEMBRO	  10,52       94,50 	 1,00 	    66,50 	 29,00 	   10,52 
		 					
OUTUBRO	 ARG	  2,38 	      41,00 	 0,01 	    12,40 	 27,00 	   3,98 
NOVEMBRO	  2,38 	      42,50 	 0,01 	    12,40 	 28,00 	   4,48 
							
OUTUBRO	 CHINA   79,55 	     225,00 	 5,00 	   251,00 	 0,05 	   58,50 
NOVEMBRO        222,54 	     256,00 	 5,00 	   276,00 	 0,05 	  207,49 

SOJA: USDA eleva estimativas para estoques mundiais em 2018/19

Porto Alegre, 8 de novembro de 2018 – O relatório de novembro do
Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), divulgado há pouco,
projetou safra mundial de soja em 2018/19 de 367,5 milhões de toneladas. No
relatório anterior, o número era de 369,48 milhões. Os estoques finais foram
elevados de 110,04 milhões de toneladas para 112,08 milhões. O mercado
esperava por estoques finais de 110,8 milhões de toneladas.

A projeção do USDA aposta em safra americana de 125,2 milhões de
toneladas, contra 127,63 milhões de outubro. Para o Brasil, a previsão é de
uma produção de 120,5 milhões de toneladas, mesmo número do ano anterior.

A previsão para a Argentina recuou de 57 milhões para 55,5 milhões de
toneladas. Pelo lado da demanda, destaque para a redução da previsão das
importações chinesas, passando de 94 milhões para 90 milhões de toneladas.

Para a temporada 2017/18, o USDA estima safra mundial de 338,57 milhões.
Os estoques finais foram indicados em 99,69 milhões de toneladas. O mercado
apostava em número de 96,9 milhões de toneladas.

A safra americana foi indicada em 120,04 milhões. Para o Brasil, a
previsão de produção ficou em 119,8 milhões de toneladas. A projeção para
a Argentina é de 37,8 milhões de toneladas.

Dylan Della Pasqua (dylan@safras.com.br) / Agência SAFRAS

SOJA: USDA indica safra dos EUA abaixo do esperado, mas estoques acima

Porto Alegre, 8 de novembro de 2018 – O relatório de novembro do
Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) reduziu a estimativa de
produção de soja norte-americana. O número também ficou abaixo do esperado
pelo mercado. Os estoques foram elevados para patamares acima do aguardado
pelo mercado.

A produção 2018/19 foi reduzida de 4,690 bilhões de bushels, o
equivalente a 127,6 milhões de toneladas, para 4,600 bilhões ou 125,2 milhões
de toneladas. O mercado apostava em 4,676 bilhões de bushels, ou 127,26
milhões de toneladas.

Os estoques finais em 2018/19 estão projetados em 955 milhões de bushels,
ou 25,99 milhões de toneladas. O mercado trabalhava com um número de 900
milhões de bushels, ou 24,5 milhões de toneladas. Em outubro, a estimativa era
de 885 milhões de bushels ou 24,08 milhões de toneladas.

O USDA indica estimativa de exportação para 2017/18 de 1,9 bilhão de
bushels, contra 2,06 bilhões estimados em outubro. O esmagamento está
estimado em 2,08 bilhões de bushels, contra 2,07 bilhões do mês anterior.

Dylan Della Pasqua (dylan@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Colheita nos Estados Unidos segundo USDA

MILHO: USDA aponta colheita em 76% nos Estados Unidos.
O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) divulgou relatório sobre a evolução da colheita das lavouras de milho. Até 4 de novembro, a área colhida estava em 76%. Em igual período do ano passado o número era de 68%. A média para os últimos cinco anos é de 77%. Na semana anterior, o percentual era de 63 pontos.

SOJA: USDA aponta colheita em 83% nos Estados Unidos, abaixo da média.
O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) divulgou relatório sobre a evolução colheita das lavouras de soja. Até 4 de novembro, a área colhida estava apontada em 83%. Em igual período do ano passado, a colheita era de 89%. A média é de 89%. Na semana passada, o percentual era de 72 pontos.

SOJA: Plantio evolui para 55,2% no Brasil, acima da média – SAFRAS

Porto Alegre, 1 de novembro de 2018 – O plantio de soja avançou para
55,2% no Brasil, segundo relatório de SAFRAS & Mercado, com dados recolhidos
até 1 de novembro. Na semana anterior, a semeadura ocupava 44,4% da área
estimada. Em igual período do ano passado, o percentual plantado até esta data
era de 41,7%. A média do período nos últimos cinco anos é de 40,5%.

Veja abaixo os dados por estados produtores:

==============================================================
EVOLUÇÃO DO PLANTIO DE SOJA - BRASIL
- em % da área esperada -
--------------------------------------------------------------

Estados        2018        2018        2017        Média
               01/nov      26/out      01/nov    Normal (x)
RS               10          5           11          7
PR               67          62          80          66
MT               90          74          64          62
MS               78          58          80          66
GO               70          58          15          36
SP               50          30          47          35
MG               60          40          12          23
BA               22          15          3           3
SC               24          20          28          27
OUT              9           5           3           4
BRASIL (*)      55,2        44,4        41,7        40,5
obs: (x) Média histórica de 5 anos. (*) Média ponderada
Fonte: SAFRAS & Mercado
Copyright 2018 - Grupo CMA

Soja tem dia lento, mesmo com forte alta de Chicago

Porto Alegre, 1 de novembro de 2018 – Apesar da alta acentuada de
Chicago, o mercado brasileiro de soja teve mais um dia lento na véspera do
feriadão. Os preços não subiram de forma generalizada, já que dólar e
prêmios caíram.

Em Passo Fundo (RS), a saca de 60 quilos subiu de R$ 82,50 para R$ 83,50.
Na região das Missões, a cotação passou de R$ 82,00 para R$ 83,00. No porto
de Rio Grande, os preços avançaram de R$ 86,50 para R$ 87,00.

Em Cascavel, no Paraná, o preço caiu de R$ 80,50 para R$ 80,00 a saca. No
porto de Paranaguá (PR), a saca passou de R$ 86,00 para R$ 85,50.

Em Rondonópolis (MT), a saca avançou de R$ 74,00 para R$ 75,00 a saca. Em
Dourados (MS), a cotação baixou de R$ 75,50 para R$ 75,00. Em Rio Verde
(GO), a saca permaneceu em R$ 78,00.

Plantio

O plantio de soja avançou para 55,2% no Brasil, segundo relatório de
SAFRAS & Mercado, com dados recolhidos até 1 de novembro. Na semana
anterior, a semeadura ocupava 44,4% da área estimada. Em igual período do ano
passado, o percentual plantado até esta data era de 41,7%. A média do período
nos últimos cinco anos é de 40,5%.

Chicago

Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago
(CBOT) fecharam a quinta-feira com preços acentuadamente mais altos. O
sentimento de que as negociações comerciais entre China e Estados Unidos
estão avançando impulsionou o mercado.

O presidente dos EUA, Donald Trump, disse nesta quinta-feira (01) que teve
uma conversa “muito boa” com o presidente chinês, Xi Jinping, sobre comércio
e Coreia do Norte e que os dois planejam se reunir na próxima reunião do
G-20.

“Só tivemos uma longa e muito boa conversa com o presidente da China, Xi
Jinping. Conversamos sobre muitos assuntos, com forte ênfase no comércio”,
escreveu Trump. “Essas discussões estão indo muito bem com as reuniões
agendadas no G-20 na Argentina. Também tivemos uma boa discussão sobre a
Coréia do Norte!”.

Os contratos da soja em grão com entrega em novembro fecharam com alta de
30,00 centavos de dólar a US$ 8,69 por bushel, com valorização de 3,57%. A
posição janeiro teve cotação de US$ 8,82 por bushel, ganho de 30,25 centavos
de dólar (3,55%) em relação ao fechamento anterior.

Nos subprodutos, a posição dezembro do farelo fechou com ganho de US$
7,00 (2,28%), sendo negociada a US$ 313,40 por tonelada. No óleo, os contratos
com vencimento em dezembro fecharam a 28,32 centavos de dólar, com alta de
0,30 centavo ou 1,07%.

Câmbio

O dólar comercial fechou a quinta-feira cotado a R$ 3,694, com
desvalorização de 0,45%. Na máxima do dia, a moeda atingiu R$ 3,714, enquanto
na mínima bateu na casa de R$ 3,680.

Agenda de segunda

– Banco Central (BC) divulga às 8h30 o Relatório Focus com as previsões do
mercado para a economia.

– Inspeções semanais de grãos dos EUA – USDA, 14hs.

– Condições das lavouras dos Estados Unidos – USDA, 19hs.

Dylan Della Pasqua (dylan@safras.com.br) / Agência SAFRAS