Informações Confiáveis,
Negócios Rentáveis

Notícias

Videos

+

Nossos Produtos

NewsLetter

Mercado em Foco

CORONAVIRUS: Mortes por Covid-19 no Brasil sobem para 27.878 (1.124 em 24h)

 
    Porto Alegre, 29 de maio 2020 - O Ministério da Saúde divulgou há 
pouco um aumento no número de mortes em decorrência da covid-19 no território
brasileiro, que passaram para 27.878, registrando 1.124 mortes nas últimas 24 
horas. 
 
    O nível de letalidade é de 6,0% dos casos confirmados, um total de 
465.166 casos - 26.928 registros nas últimas 24 horas. São 189.476 casos 
recuperados e 247.812 em acompanhamento.
 
   São Paulo registra o maior número de mortes, com 7.275 confirmações e o 
Rio de Janeiro é o segundo, com 5.079 óbitos. 
 
    Com os números de hoje, o Brasil ultrapassou a Espanha e passou a ser o 
quinto país do mundo com o maior número de óbitos decorrentes da Covid-19.
 
Copyright 2020 - Grupo CMA
 
 
 
 
 
 
 
 
 

TRUMP: Vírus não chegou a Pequim, mas veio a Nova York e à Europa

 
  Porto Alegre, 29 de maio de 2020 - O presidente norte-americano, Donald 
Trump, voltou a responsabilizar a China pela disseminação do novo 
coronavírus, sugerindo que a doença se espalhou pelo mundo de maneira 
deliberada. 
 
  "Não vi o vírus em Pequim, Xangai ou em outras cidades importantes da 
China, mas ele apareceu em Nova York e na Europa. Viajou milhares de 
quilômetros e chegou até aqui", afirmou.
 
    As informações partem da Agência CMA.
 
Revisão: Fábio Rübenich (fabio@safras.com.br) - Agência SAFRAS
 
Copyright 2020 - Grupo CMA
 

CAFÉ: Cooxupé repassa R$ 77 milhões aos cooperados

 
 
    Porto Alegre, 29 de maio de 2020 - A Cooxupé (Cooperativa Regional de 
Cafeicultores em Guaxupé) está repassando aos cooperados o total de R$ 77,1 
milhões referentes à participação nos resultados da cooperativa obtidos em 
2019, incluindo também o Programa de Restituição implantado no final do ano 
passado. A Assembleia Geral Ordinária (AGO), que apresentou o balanço final de
 2019, aconteceu nesta sexta-feira, dia 29.
 
    No total, as distribuições envolvem mais de R$ 57,8 milhões referentes 
aos resultados de 2019 e mais de R$ 19,3 milhões para o pagamento do PRCI 
(Programa de Restituição de Capital por Idade) implantado no final do ano 
passado. As informações partem da assessoria de comunicação da Cooxupé.
 
    O recebimento de cada produtor varia de acordo com a proporção das 
operações específicas realizadas com a Cooxupé no decorrer do ano seguindo 
as regras estatutárias da cooperativa. No entanto, os valores já estão sendo 
injetados na economia das áreas de atuação da Cooxupé por meio do repasse 
aos cooperados.
 
    De acordo com o presidente da Cooxupé, Carlos Augusto Rodrigues de Melo, a
distribuição em espécie chega em um bom momento, contribuindo com a economia
 das regiões onde estão os cooperados.
 
    "Desde o final do ano passado estamos colaborando com a economia e com os 
nossos cooperados por meio do nosso programa de restituição de cota capital, 
beneficiando associados acima de 75 anos. Já em abril deste ano, com a 
pandemia, decidimos antecipar a distribuição aos nossos produtores de uma 
parte das sobras de 2019. E hoje, com a realização da AGO, destinaremos aos 
nossos cooperados a parte final das sobras. Todas essas nossas medidas, de 
dezembro para cá, resultam em uma distribuição de R$ 77,1 milhões em toda 
nossa área de ação", explica Melo.
 
Balanço 2019
 
    O balanço de 2019, aprovado pelo Conselho Fiscal da cooperativa, em 
Assembleia Geral Ordinária, realizada nesta sexta-feira (29/05), e auditado sem
ressalvas pela PWC, registrou um faturamento de R$ 4,2 bilhões. Em 2018, o 
valor foi de R$ 3,793 bilhões.
 
    Em relação ao desempenho comercial, o balanço aponta que a cooperativa 
recebeu 5,1 milhões de sacas de café tipo arábica e embarcou 6,4 milhões 
para os mercados interno e externo, sendo que somente para as exportações 
foram 5,4 milhões de sacas, atendendo mais de 50 países. Já a SMC (Specialty 
Coffees), empresa controlada pela Cooxupé com atuação no mercado de cafés 
especiais, exportou mais de 85 mil sacas.
 
    Em 2019, a cooperativa também destinou mais de R$ 42 milhões para 
investimentos em ampliações, obras e reformas.
 
     Lessandro Carvalho (lessandro@safras.com.br) / Agência SAFRAS
 
Copyright 2020 - Grupo CMA
 

MERCADO: Algodão encerra maio com preços fracos no Brasil

 
 
    Porto Alegre, 29 de maio de 2020 - Os preços domésticos do algodão 
encerram o mês de maio com queda de 0,94%. A média no CIF do polo industrial 
paulista ficou em R$ 2,69/libra-peso. A indicação no FOB exportação do porto
de Santos/SP ficou por volta de 49,79 cents de dólar por libra-peso (c/lb), 
com queda mensal de 1,75%. Esse valor é valor 12% inferior à indicação do 
contrato de maior liquidez negociado na Ice Futures US. Há um mês essa 
diferença era de 20%. 
 
    Segundo o consultor de SAFRAS & Mercado, Élcio Bento, sentindo os efeitos 
da Pandemia de Covid-19, o consumo interno segue enfraquecido. Na outra ponta, a
colheita de mais uma safra recorde já iniciou e começará a ganhar corpo a 
partir de junho. "A estimativa é de que o país colha 2,9 milhões de 
toneladas e consuma 640 mil toneladas na próxima temporada. Assim, para evitar 
uma elevação substancial dos estoques de passagem, o país terá que exportar 
um volume recorde", comenta.
 
    A desvalorização do real conta a favor dessa necessidade de exportar um 
montante recorde, avalia Bento. "Porém, ainda existem incertezas sobre a 
capacidade logística/portuária brasileira e sobre a demanda por parte dos 
principais importadores globais numa situação de recuo do crescimento 
econômico", afirma. 
 
NY
 
    A Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures) para o algodão fechou 
com preços mistos nesta sexta-feira.
 
    Segundo traders, a sessão foi muito volátil, e o mercado teve perdas em 
grande parte do período com o fraco desempenho das exportações 
norte-americanas. Cobertura de posições vendidas limitou as perdas e promoveu 
uma recuperação em NY.
 
   As vendas líquidas norte-americanas de algodão (upland), referentes à 
temporada 2019/20, iniciada em 1o de agosto, ficaram em 44.600 fardos na semana 
encerrada em 21 de maio. Representa uma queda de 65% frente à semana anterior e
uma retração de 85% frente à média das últimas quatro semanas. O maior 
importador foi a China, com 58.600 fardos. Para a temporada 2020/21, ficaram em 
171.900 fardos. As informações são do Departamento de Agricultura dos Estados
 Unidos (USDA). 
 
    No balanço da semana, o contrato julho acumulou uma perda de 0,03%. Em 
maio, o contrato acumulou alta de 0,9%.
 
    Os contratos com entrega em julho/2020 fecharam no dia a 57,59 centavos de 
dólar por libra-peso, ganho de 0,02 centavo, ou de 0,03%. Dezembro fechou a 
57,48 centavos, com desvalorização de 0,06 centavo, ou de 0,1%.
 
CÂMBIO
 
    O dólar comercial encerrou a sessão de hoje com baixa de 0,90%, sendo 
negociado a R$ 5,3370 para venda e a R$ 5,3350 para compra. Durante o dia, a 
moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 5,3300 e a máxima de R$ 
5,4640.
 
     Lessandro Carvalho (lessandro@safras.com.br) - Agência SAFRAS
 
Copyright 2020 - Grupo CMA
 

LINE-UP: Posição dos navios nos principais portos do Brasil

 
Confira a posição dos navios nos principais portos do Brasil no link abaixo:
 
[http://www.safras.com.br/analises/safras.asp?Arquivo= lineup.pdf]
 
Copyright 2020 - Grupo CMA 

MERCADO: Milho fecha semana com cotações pressionadas por safrinha e dólar

 
 
    Porto Alegre, 29 de maio de 2020 - O mercado brasileiro de milho encerrou
a semana com as cotações pressionadas pela "pré-colheita" da safrinha e 
pela baixa do dólar. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Paulo Molinari, 
sem geadas para prejudicar a safrinha, o mercado voltou a vender de forma mais 
acentuada, "derrubando os preços em algumas regiões".
 
    No Porto de Santos, o preço ficou entre R$ 46,50 e R$ 47,50 a saca. No 
Porto de Paranaguá (PR), preço entre R$ 45,00 e R$ 47,00 a saca.
 
    No Paraná, a cotação ficou em R$ 43,00/46,00 a saca em Cascavel. Em São
Paulo, preço de R$ 47,00/49,00 na Mogiana. Em Campinas CIF, preço de R$ 
50,00/51,00 a saca.
 
    No Rio Grande do Sul, preço ficou em R$ 48,50/49,50 a saca em Erechim. Em 
Minas Gerais, preço em R$ 47,00/48,00 a saca em Uberlândia. Em Goiás, preço 
esteve em R$ 40,00 - R$ 41,00 a saca em Rio Verde - CIF. No Mato Grosso, preço 
ficou a R$ 35,00/36,00 a saca em Rondonópolis. 
 
CHICAGO
 
    A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para o milho fechou a sessão de 
hoje com preços mais baixos. O mercado foi pressionado por um movimento de 
realização de lucros após terem atingido, ontem, os maiores níveis em mais 
de um mês. A fraca demanda para o cereal norte-americano também pesou 
negativamente, bem como a tensão comercial entre Estados Unidos e China.
 
     Na semana, a posição julho subiu 2,44%. Em maio, o contrato acumulou 
ganho de 1,8%.
  
    As vendas líquidas norte-americanas de milho para a temporada comercial 
2019/20, que tem início no dia 1o de setembro, ficaram em 427.200 toneladas na 
semana encerrada em 21 de maio. Representa uma baixa de 52% frente à semana 
anterior e uma retração de 58% sobre à média das últimas quatro semanas. O 
Japão liderou as compras, com 171.300 toneladas. Para a temporada 2020/21, 
foram mais 46.500 toneladas. Os analistas esperavam exportações entre 600 mil 
e 1,200 milhão de toneladas, somando-se as duas temporadas. As informações 
são do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).
 
    Os contratos de milho com entrega em julho fecharam a US$ 3,25 3/4, com 
baixa de 1,75 centavo, ou 0,53%, em relação ao fechamento anterior. A 
posição setembro fechou a sessão a US$ 3,30 por bushel, recuo de 1,75 centavo
 ou 0,52% em relação ao fechamento anterior.
 
Câmbio
 
    O dólar comercial encerrou a sessão de hoje com baixa de 0,90%, sendo 
negociado a R$ 5,3370 para venda e a R$ 5,3350 para compra. Durante o dia, a 
moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 5,3300 e a máxima de R$ 
5,4640.
 
     Lessandro Carvalho (lessandro@safras.com.br) - Agência SAFRAS
 
Copyright 2020 - Grupo CMA
 

CAFÉ: Estoques certificados de Nova York caíram 13.635 sacas em 29/05

 
 
    Porto Alegre, 29 de maio de 2020 - Os estoques certificados de café nos 
armazéns credenciados da Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures) na 
posição de 29 de maio de 2020 estão em 1.760.608 sacas de 60 quilos, com 
queda de 13.635 sacas em relação ao dia anterior. As informações partem da 
ICE Futures.
 
     Lessandro Carvalho (lessandro@safras.com.br) / Agência SAFRAS
 
Copyright 2020 - Grupo CMA