Informações Confiáveis,
Negócios Rentáveis

Notícias

Videos

+

Nossos Produtos

NewsLetter

Mercado em Foco

MERCADO ALGODÃO: Brasil fecha outubro com valorização recorde

 
 
    Porto Alegre, 30 de outubro de 2020 - A valorização de 25,5% que os 
preços do algodão apresentaram no mercado doméstico em outubro foi a maior 
já verificada em um mês. Na média do CIF de São Paulo a pluma fechou no 
recorde de R$ 4,04/libra-peso. 
 
    Segundo o consultor de SAFRAS & Mercado, Élcio Bento, essa forte 
elevação verificada é sustentada por três fatores principais. "Primeiro, a
valorização do dólar em relação ao real, que torna a pluma nacional 
competitiva no mercado internacional. Segundo, a firmeza das cotações 
internacionais, que voltaram a operar em níveis anteriores aos da pandemia do 
covid-19. O terceiro, e certamente o que mais influenciou no recente rally de 
alta, foi o retorno dos compradores domésticos. Foi esse último que 
possibilitou que as cotações da fibra nacional buscassem um ajuste à paridade
 de exportação", comenta.
 
    No FOB exportação do porto de Santos/SP a fibra brasileira chegou de 
outubro a 69,84 cents de dólar por libra-peso (c/lb), com alta de 19,6% frente 
ao fechamento do mês anterior. Em relação ao contrato de maior liquidez na 
Ice Futures a pluma brasileira é cotada por um valor 1,3% superior. Foi a 
primeira vez desde 17 de abril que a cotação em Santos ficou superior à do 
contrato spot de Nova York. Há uma era 3,5% inferior e a um mês de 11,3% 
inferior. "Esses números mostram bem o processo de ajuste que a fibra 
brasileira vêm sofrendo em relação aos preços internacionais que foi 
verificado no decorrer do mês e que levou os preços domésticos a encostarem 
na paridade de exportação", observa Bento.
 
NY
 
    A Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures) para o algodão fechou 
com preços mais baixos.
 
    As cotações voltaram a ser pressionadas no dia pela aversão ao risco nos
mercados, diante do aumento dos casos da pandemia do coronavírus pela Europa e
outros países, com temores dos efeitos econômicos de uma segunda onda. O 
petróleo caiu e os mercados no geral foram pressionados. O algodão não foi 
indiferente e novamente recuou. 
 
    O mercado chegou a subir mais cedo, mas perdeu força. A proximidade das 
eleições presidenciais norte-americanas contribuiu para a baixa, levando a 
pluma a se aprofundar um pouco mais abaixo da linha de 70 centavos de dólar. A 
retomada dos trabalhos de colheita nos Estados Unidos, assim que o Furacão Zeta
 se afastar de regiões produtoras, foi outro aspecto baixista.
 
    No balanço da semana, o contrato dezembro acumulou uma queda de 3,3%. No 
mês de outubro, o mercado acumulou nesta posição uma baixa de 4,4%.
 
    Os contratos com entrega em dezembro/2020 fecharam no dia a 68,92 centavos 
de dólar por libra-peso, baixa de 0,90 centavo, ou 1,3%. Março/2021 fechou a 
69,78 centavos, com perda de 1,02 centavo, ou de 1,4%.
 
CÂMBIO
 
    O dólar comercial encerrou a sessão com baixa de 0,45%, sendo negociado a
R$ 5,7390 para venda e a R$ 5,7370 para compra. Durante o dia, a moeda 
norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 5,7240 e a máxima de R$ 5,8100. 
Na semana, o dólar acumulou alta de 1,92% frente ao real, e valorizou 2,15% no 
mês. 
 
     Lessandro Carvalho (lessandro@safras.com.br) / Agência SAFRAS
 
Copyright 2020 - Grupo CMA
 

MERCADO MILHO: Preços fracos em SP nesta sexta-feira

 
 
   Porto Alegre, 30 de outubro de 2020 - O mercado brasileiro de milho 
manteve preços pouco alterados nesta sexta-feira, à exceção de São Paulo, 
que apresentou baixas nas cotações. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, 
Fernando Henrique Iglesias, houve maior fixação de oferta no interior 
paulista. No restante do país, a dinâmica não apresentou consideráveis 
alterações, com oferta ainda restrita dada a decisão de venda do produtor. 
"A movimentação cambial permanece relevante no curto prazo, da mesma forma 
que o fator clima também tem grande peso para a decisão de venda do produtor 
no decorrer da semana", comentou.
 
    No Porto de Santos, o preço ficou em R$ 78,00/82,00 a saca. No Porto de 
Paranaguá (PR), preço em R$ 77,00/82,00 a saca.
 
   No Paraná, a cotação ficou em R$ 77,00/80,00 a saca em Cascavel. Em São 
Paulo, preço de R$ 78,00/80,00 na Mogiana. Em Campinas CIF, preço de R$ 
80,00/81,50 a saca.
 
   No Rio Grande do Sul, preço ficou em R$ 80,50/82,00 a saca em Erechim. Em 
Minas Gerais, preço em R$ 74,00/75,00 a saca em Uberlândia. Em Goiás, preço 
esteve em R$ 72,00 - R$ 73,00 a saca em Rio Verde - CIF. No Mato Grosso, preço 
ficou a R$ 72,00/75,00 a saca em Rondonópolis. 
 
CHICAGO
 
    A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para o milho fechou a sessão de 
hoje com preços mais altos. Em sessão volátil, o mercado acabou encontrando 
suporte na boa demanda por parte do México pelo produto norte-americano. As 
preocupações com os impactos econômicos gerados pela pandemia de 
coronavírus, porém, pressionam e limitaram a valorização.
 
    Na semana, a posição dezembro caiu 4,95%. Em outubro, no entanto, o 
contrato acumulou alta de 5,14%. 
 
    Os contratos de milho com entrega em dezembro fecharam a US$ 3,98 1/2, 
estável em relação ao fechamento anterior. A posição março de 2021 fechou 
a sessão a US$ 4,03 1/4 por bushel, ganho de 1,75 centavo de dólar, ou 0,43%, 
em relação ao fechamento anterior.
 
CÂMBIO
 
    O dólar comercial encerrou a sessão com baixa de 0,45%, sendo negociado a
R$ 5,7390 para venda e a R$ 5,7370 para compra. Durante o dia, a moeda 
norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 5,7240 e a máxima de R$ 5,8100. 
Na semana, o dólar acumulou alta de 1,92% frente ao real, e valorizou 2,15% no 
mês. 
 
     Lessandro Carvalho (lessandro@safras.com.br) - Agência SAFRAS
 
Copyright 2020 - Grupo CMA
 
 
 

AÇÚCAR: Coruripe investe R$ 70 mi na construção de terminal rodoferroviário

 
    Porto Alegre, 30 de outubro de 2020 - A Usina Coruripe realizou um 
evento, no dia 29 de outubro, para marcar o lançamento da pedra fundamental do 
futuro terminal rodoferroviário Comendador Rubem Montenegro Wanderley na cidade
de Iturama (MG). Com investimento direto da Coruripe de aproximadamente R$ 70 
milhões, o projeto prevê a instalação de uma unidade moderna de transbordo 
rodoferroviário interligada à Rumo Malha Central (Ferrovia Norte-Sul), que 
garantirá o transporte ferroviário. A localização é estratégica: a região
tem uma grande produção de açúcar e logística dependente do modal 
rodoviário. A previsão é que sejam movimentados 2 milhões de toneladas de 
açúcar VHP por ano com destino ao Porto de Santos (SP).
 
   O projeto do terminal será implementado e operado pela Usina Coruripe, uma 
das principais empresas do segmento sucroalcooleiro e com presença consolidada 
na região. A obra tem início previsto para janeiro de 2021 e a previsão de 
conclusão é o primeiro semestre de 2022. Quando estiver operacional, o 
terminal vai gerar cerca de 300 empregos diretos e indiretos em vagas nas áreas
de operação de tombador, armazenagem e expedição. Para a construção, é 
estimada a geração de 150 empregos diretos.
 
   O presidente da Usina Coruripe, Mario Lorencatto, destaca que o novo 
terminal seguirá as melhores práticas de segurança e sustentabilidade. 
"Pretendemos contribuir com o desenvolvimento da produção regional de 
açúcar e trazer mais facilidades a clientes e consumidores, além de gerar 
novos postos de trabalho. Esse investimento demonstra a confiança da empresa no
cenário socioeconômico da região", afirma. O terminal também atenderá 
outras usinas em um raio aproximado de 400 a 500 quilômetros, uma área de 
influência que abrange todo o Triângulo Mineiro e as usinas do sul de Goiás.
 
A nova unidade - localizada no Km 15 da Rodovia BR-497, s/n, na Zona Rural de 
Iturama - terá alta velocidade de recepção e carregamento, com uma pera 
ferroviária (área em formato circular para manobra de trens) que agilizará as
operações. Ocupará uma área total estimada em 20 hectares e será equipada 
com dois tombadores, um armazém de 40 mil toneladas de capacidade estática e 
uma tulha de carregamento de vagões de 1.500 toneladas por hora. Na parte de 
recepção rodoviária, a previsão é de uma capacidade para quase 300 
caminhões por dia. Considerando cada caminhão carregado com 35 toneladas, o 
terminal poderá receber 10 mil toneladas por dia.
 
    O nome do terminal é uma homenagem ao comendador Rubem Montenegro 
Wanderley, que foi, na história da Usina Coruripe, um exemplo dignificante de 
vida, de abnegação ao trabalho construtivo e amor ao próximo. "Essa obra 
será um marco na expansão da Ferrovia Norte-Sul em Minas Gerais e um 
reconhecimento ao Comendador Rubem pelos inestimáveis serviços prestados ao 
grupo Coruripe no processo de desenvolvimento da empresa", ressalta 
Lorencatto.
 
     As informações partem da assessoria de imprensa da Usina Coruripe.
 
Revisão: Fábio Rübenich (fabio@safras.com.br) - Agência SAFRAS
 
Copyright 2020 - Grupo CMA
 
 
 
 

EMPRESAS: Acionistas da Raízen aprovam destinação de lucro e remuneração

 
   Porto Alegre, 30 de outubro de 2020 - Os acionistas da Raizen, 
subsidiária da Cosan, aprovaram a destinação de R$ 175,8 milhões, referente 
ao lucro líquido apurado no exercício social encerrado em 31 de março, e a 
remuneração global anual da administração da companhia, no valor de  R$ 
96,49 milhões, incluindo salário, encargos e estimativa da remuneração 
variável.
 
   Em relação à destinação do lucro líquido, os acionistas aprovaram 
destinar 5%, ou R$ 8,791 milhões, para a constituição de reserva legal, R$ 
80,00 milhões à Reserva de Incentivos Fiscais da companhia, declarar 
dividendos preferenciais no montante total de R$ 2,145 milhões, sendo R$ 0,01 
para a acionista  titular  da  ação  preferencial nominativa  classe  A,  
Cosan  S/A, R$ 1,416 milhão para a acionista titular das ações preferenciais 
nominativas classe B, Cosan S/A e R$ 729,4 mil para a acionista titular das 
ações preferenciais nominativas classe D, Shell Brazil Holding BV, declarar a 
título de dividendos  mínimos  obrigatórios  referente  às  ações  
ordinárias R$ 870,3 mil, equivalente a 1% do lucro líquido do exercício, a 
serem creditados, individualmente, no valor de R$435.151,86 às acionistas 
detentoras de ações ordinárias da companhia, Shell Brazil Holding BV e Cosan 
Investimentos e Participações S.A, com o pagamento dos dividendos até 31 de 
março de 2021; e a destinação dos restantes R$ 84,01 milhões para a reserva 
de lucros da companhia.
 
     As informações partem da Agência CMA.
 
Revisão: Fábio Rübenich (fabio@safras.com.br) / Agência SAFRAS
   
Copyright 2020 - Grupo CMA
 

MERCADO CAFÉ: Sexta-feira de estabilidade no Brasil

 
 
    Porto Alegre, 30 de outubro de 2020 - O mercado físico brasileiro de 
café registrou preços estáveis nesta sexta-feira. Apesar das perdas do 
arábica na Bolsa de Nova York e do dólar em baixa, o dia foi lento na 
comercialização no Brasil e não houve mudança nas cotações, com o mercado 
andando de lado.
 
    No sul de Minas Gerais, o café arábica bebida boa com 15% de catação 
terminou o dia em R$ 530,00/535,00 a saca, estável. No cerrado mineiro, 
arábica bebida dura com 15% de catação teve preço de R$ 535,00/540,00 a 
saca, inalterado.
 
    Já o café arábica "rio" tipo 7 na Zona da Mata de Minas Gerais, com 
20% de catação, teve preço de R$ 390,00/395,00 a saca, estável. O conilon 
tipo 7 em Vitória, Espírito Santo, teve preço de R$ 405,00/410,00 a saca, sem
 mudanças.
 
Nova York
 
    A Bolsa de Mercadorias de Nova York (Ice Futures US) para o café arábica 
encerrou as operações desta sexta-feira com preços mais baixos.
 
   A sessão foi volátil mais uma vez, e NY chegou a tentar avanço em 
momentos do dia. No entanto, a queda do petróleo e a aversão ao risco nos 
mercados, diante da segunda onda da pandemia do coronavírus voltaram a 
pressionar. Além disso, as chuvas no Brasil continuam sendo fundamento baixista
 para o café, benéficas às lavouras para a safra de 2021.
 
   No balanço semanal, o contrato dezembro acumulou queda de 1,1%. Já em 
outubro a queda acumulada foi de 5,9%.
 
   Os contratos com entrega em dezembro fecharam o dia a 104,40 centavos de 
dólar por libra-peso, com desvalorização de 0,20 centavo, ou de 0,19%. A 
posição março/2021 fechou a 106,85 centavos, com baixa de 0,35 centavo, ou de
 0,32%.
 
Dólar
 
    O dólar comercial encerrou a sessão com baixa de 0,45%, sendo negociado a
R$ 5,7390 para venda e a R$ 5,7370 para compra. Durante o dia, a moeda 
norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 5,7240 e a máxima de R$ 5,8100. 
Na semana, o dólar acumulou alta de 1,92% frente ao real, e valorizou 2,15% no 
mês. 
 
     Lessandro Carvalho (lessandro@safras.com.br) / Agência SAFRAS
 
Copyright 2020 - Grupo CMA
 
 

CORONAVIRUS: EUA superam 9 milhões de casos, diz Johns Hopkins

 
   Porto Alegre, 30 de outubro de 2020 - O número de pessoas infectadas pelo
novo coronavírus nos Estados Unidos superou 9,0 milhões, segundo dados 
compilados pela Universidade Johns Hopkins, e agora soma 9.007.298. As mortes no
 país por covid-19 totalizam 229.293.
 
  O país, que segue liderando o número de contaminações e óbitos no mundo,
reportou 88.521 novos casos da doença em 24 horas, acima dos 78.358 
registrados um dia antes. 
 
  Depois dos Estados Unidos, a India tem o maior número de infecções 
provocadas pelo novo coronavírus, com 8.088.851 casos e 121.090 óbitos. O 
Brasil, que aparece em terceiro lugar em número de casos de covid-19, tem 
5.494.376 infectados. As mortes no país totalizam 158.969.
 
  No mundo, 45.360.632 casos de covid-19 já foram registrando, com o número 
de mortes ligadas à doença em 1.185.053. 
 
   O sistema de contagem da Johns Hopkins compila informações da 
Organização Mundial da Saúde, do Centro de Controle de Doenças 
norte-americano e do Centro de Controle e Prevenção de Doenças europeu, além
de relatos da mídia, departamentos locais de saúde e comunicados online de 
médicos e outros profissionais da saúde.
 
     As informações partem da Agência CMA.
 
Revisão: Fábio Rübenich (fabio@safras.com.br) / Agência SAFRAS
   
Copyright 2020 - Grupo CMA
 
 

CAFÉ: Conselho Diretor planeja ações futuras do CNC

 
 
    Porto Alegre, 30 de outubro de 2020 - Os oito conselheiros diretores do 
Conselho Nacional do Café (CNC) se reuniram com o presidente Silas Brasileiro e
o coordenador Maurício Miarelli, na sexta-feira passada, 23 de outubro, para 
analisar o trabalho realizado em 2020 e traçar as ações futuras a serem 
tomadas pela entidade. As informações partem do Balanço Semanal do CNC, 
divulgado pela assessoria de comunicação da entidade.
 
FUNCAFÉ
 
    Os representantes da Federação dos Cafeicultores do Cerrado, do Bancoob, 
do Sicoob/ES e das cooperativas Coccamig, Cooxupé, Minasul, Cocatrel e Cocapec 
destacaram o trabalho em defesa da preservação dos recursos do Fundo de Defesa
 da Economia Cafeeira conduzidos pelo CNC.
 
    Eles também manifestaram que é necessário manter a ação 
parlamentar-institucional para que o Funcafé seja excluído dos textos das 
Propostas de Emenda à Constituição n 186 - PEC Emergencial - e n 188 
- PEC do Pacto Federativo -, que tramitam na Comissão de Constituição e 
Justiça do Senado Federal.
 
NORMA DE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL 2020
 
    Os conselheiros diretores aprovaram a continuidade dos trabalhos junto à 
Rainforest Alliance para que seja suspenso o cronograma de implantação da 
Norma de Agricultura Sustentável 2020, que, no formato atual, impõe 
restrições excessivas e irreais, as quais tendem a anular o valor da 
certificação pelas perdas de produtividade e renda.
 
    Considerando que a abordagem regulatória da nova norma ultrapassa o papel 
das autoridades nacionais e internacionais, ao proibir o uso de ingredientes 
ativos importantes para o controle de pragas e doenças dos cafezais, que podem 
levar a severas perdas de produtividade e renda aos cafeicultores, o Conselho 
Diretor orientou a continuidade do trabalho para a reabertura da consulta 
pública, desta vez de forma inclusiva, com ampla participação das origens 
cafeeiras brasileiras.
 
    Os conselheiros foram informados que a Rainforest Alliance solicitou uma 
reunião com o CNC, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) 
e o Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé), que tratam da 
matéria diretamente com a certificadora. Diante disso, eles solicitaram ações
proativas, objetivas e que venham ao encontro do respeito às leis brasileiras 
e às decisões da Anvisa.
 
ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO CAFÉ
 
    O Conselho Diretor foi informado sobre o andamento dos trabalhos da 
Força-Tarefa da Organização Internacional do Café (OIC), que vêm sendo 
conduzidos por CNC, CNA e Cecafé em conjunto com o embaixador Marco Farani, 
representante especial do Brasil junto aos organismos internacionais em Londres.
 
    Diante das tratativas relacionadas ao Acordo Internacional do Café (AIC 
2007), da necessidade de iniciativas para promover o consumo mundialmente e com 
relação ao pagamento ao organismo, definiu-se pela reunião com representantes
de importantes países produtores para buscar uma solução à continuidade da 
OIC, a qual tenha uma atuação mais proativa em prol do setor.
 
     Lessandro Carvalho (lessandro@safras.com.br) / Agência SAFRAS
 
Copyright 2020 - Grupo CMA
 
 
 
 

AGRONEGÓCIO: SRB apoia GTPS para implementação do Código Florestal

 
    Porto Alegre, 30 de outubro de 2020 - A SRB - Sociedade Rural 
Brasileira acaba de anunciar seu apoio ao GTPS - Grupo de Apoio de Trabalho da
Pecuária Sustentável para a implementação do Código Florestal e 
regularização fundiária como formas de solucionar os problemas ambientais do 
agronegócio brasileiro. 
 
    A ideia é promover o diálogo não somente entre os produtores e 
indústria, mas também com as ONGs para a discussão de uma agenda sustentável
e monitorada em prol da identificação de irregularidades, incluindo o 
pagamento por serviços ambientais das práticas realizadas no país. Isso deve 
envolver ainda países que têm interesse na produção brasileira e também 
são grandes emissores de gases do efeito estufa para que se sustente o 
'desmatamento ilegal zero', contribuindo efetivamente para a preservação 
das florestas brasileiras. 
 
   "As ONGs têm um importante papel na defesa do meio ambiente e isso é 
indiscutível. Mas é preciso compreender exatamente a importância do Código 
Florestal e a necessidade de sua implementação para cobrar responsabilidades e
manter o monitoramento adequado com o que de fato pode ser praticado por lei, 
defendendo a imagem do agronegócio brasileiro no exterior", diz Teresa 
Vendramini, presidente da SRB.
 
     As informações partem da assessoria de imprensa da Santos Brasil.
 
Revisão: Fábio Rübenich (fabio@safras.com.br) - Agência SAFRAS
 
Copyright 2020 - Grupo CMA
 

CORONAVIRUS: Brasil tem 5,516 milhões de casos confirmados

 
   Porto Alegre, 30 de outubro de 2020 - O Brasil soma 5.516.658 casos 
confirmados de covid-19 no território nacional e 22,2 mil registros nas 
últimas 24 horas, de acordo com atualização do Ministério da Saúde e 
secretarias estaduais de Saúde. 
 
   O número de mortes em decorrência da covid-19 no território brasileiro 
subiu para 159.477 segundo divulgação, com 508 novos registros de mortes nas 
últimas 24 horas. A taxa de letalidade da doença é de 2,9% dos casos totais.
 
   São Paulo registra o maior número de mortes com 39.255 confirmações e o 
Rio de Janeiro 20.565 óbitos. Os estados que sucedem a lista de maior número 
mortes causadas pelo novo coronavírus são Ceará (9.337), Minas Gerais 
(8.962), Pernambuco (8.609),  Bahia (7.600), Pará (6.738) e Goiás (5.732).
 
     As informações partem da Agência CMA.
 
Revisão: Fábio Rübenich (fabio@safras.com.br) / Agência SAFRAS
   
Copyright 2020 - Grupo CMA
 

CAFÉ: Nova NR 31 traz mais segurança jurídica à cafeicultura - CNC

 
 
    Porto Alegre, 30 de outubro de 2020 - A Secretaria Especial de 
Previdência e Trabalho do Ministério da Economia publicou, no Diário Oficial 
da União de terça-feira, 27 de outubro, a Portaria n 22.677, que apresenta 
nova redação à Norma Regulamentadora n 31 - Segurança e Saúde no Trabalho
 na Agricultura, Pecuária, Silvicultura, Exploração Florestal e Aquicultura. 
 
    Na avaliação do Conselho Nacional do Café (CNC), o normativo é positivo
para o setor e atendeu aos pareceres técnicos apresentados pelas entidades 
setoriais do agro. "O novo texto vem ao encontro do que os representantes da 
produção no Brasil sempre defenderam, que é a desburocratização da 
legislação trabalhista e a ampliação da segurança jurídica no campo", 
aponta o presidente Silas Brasileiro. As informações partem do Balanço 
Semanal do CNC, divulgado pela assessoria de comunicação da entidade.
 
    Ele recorda que a entidade contribuiu para a formatação da NR 31 com 
considerações apresentadas em colegiados como, por exemplo, o Instituto Pensar
Agro (IPA). "Nos últimos anos, a busca por uma legislação trabalhista mais
condizente com a realidade do campo foi uma bandeira que defendemos 
permanentemente e a nova redação da norma regulamentadora é uma grande 
conquista para o agro", comenta.
 
    O CNC analisa que um avanço importante na nova NR 31 é maior nitidez e 
objetividade a pontos específicos voltados à atividade no campo, com os 
auditores fiscais não podendo aplicar normas urbanas durante as autuações na 
zona rural, tendo como referência, exclusivamente, aquilo que está citado no 
normativo regulamentador atual.
 
    No que se refere à atividade cafeeira, composta majoritariamente por 
pequenos e médios produtores, sendo 78% da agricultura familiar, o Conselho 
também destaca avanços em relação a:
 
i) redução de 30 para 15 metros na distância entre armazéns de defensivos 
agrícolas e habitações e locais onde são conservados ou consumidos 
alimentos, medicamentos ou outros materiais;
 
ii) ampliação nas formas de treinamentos, que podem, agora, ser realizados por
ensino à distância, presencial ou semipresencial, além de permitir o 
aproveitamento do conteúdo do treinamento dado há menos de dois anos pelo 
mesmo empregador;
 
iii) redução dos gastos e maior segurança com o Programa de Gerenciamento de 
Risco no Trabalho Rural, com os cafeicultores (com até 50 empregados) tendo 
acesso gratuito a uma ferramenta de avaliação de riscos; e
 
iv) flexibilização no espaçamento entre as camas nos alojamentos: camas 
simples poderão ser separadas por três metros quadrados e beliches por 4,5 
metros quadrados, em ambos os casos já estão incluídas a área de 
circulação e o armário; ou, alternativamente, camas separadas por, no 
mínimo, um metro.
 
     Lessandro Carvalho (lessandro@safras.com.br) / Agência SAFRAS
 
Copyright 2020 - Grupo CMA